Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Falhar

verbalizado por Fábio, em 27.09.09

Há coisas que só se dizem às pessoas se forem mesmo verdade. É a minha opinião. E como não quero chamar mentiroso a ninguém, conluo que  verdade aquilo que me disseram. De qualquer das formas quem tem telhados de vidro não deve atirar pedras às casas dos vizinhos.

 

Falhei, reconheço. Falhei várias vezes Não sei se estou sempre a falhar, se calhar estou. Fixe.

 

Vamos encostar, todos as que falharam até hoje, a uma parede e matá-los. Fuzilá-los. Como se não houvesse amanhã; e para eles, certamente, não iria haver.

 

Desafio a quem nunca falhou para construir uma estátua com a sua figura para colocar na praça da Figueira em Lisboa, porque acho que é a única praça que tem um nome parvo. Era bonito.

 

A pior coisa que podem dizer a uma pessoa que está lá quando é preciso, que arranja, que safa e que salva o mundo a muita gente quando é preciso, é que é um falhado.

 

Não me estou a vitimizar, nem a dizer que nunca falhei, ou que sou o melhor do mundo e que faço tudo. Não estou. Porque nunca ajudei ninguém com intuito de receber alguma coisa em trica. Estou, apenas, a dizer aquilo que eu sinto que faço, e que muitas pessoas já confirmaram.

 

Espero que não achem todos isso. Se calhar acham e nunca tiveram coragem de mo dizer. Digam-me então, que assim não estou cá a fazer nada.

 

Loser.

 

Fim.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

verbalizado às 13:41

Iludir

verbalizado por Fábio, em 21.09.09

O ser humano é fraco. Fraco, cruel e falso. Vivemos todos uma grande ilusão. Uma realidade a fingir. Há coisas que não sobrevivem a esse fingimento, a essa ilusão. Há coisas que não sobrevivem a uma sociedade que se acha crescida, a um cinismo e uma desonestidade constantes. Haja, então, mais sinceridade, honestidade e sorrisos verdadeiros na cara das pessoas. Comecemos nós. Cada um. Para que cada um de nós possa viver e sobreviver.

 

E é isto que eu acho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

verbalizado às 15:02

Patafurdiar

verbalizado por Fábio, em 08.09.09

Por incrivel que pareça, por incrivel que pareça

Não há nada, não há nada,

Que não nos aconteça

Oh sorte malvada

Que vida desgraçada

Ai, ai, ai,

Ai, ai, ai,

 

São só coisas esquisitas

São só coisas complicadas

Infinitas trapalhadas

 

Por incrivel que pareça, por incrivel que pareça

Não há nada, não há nada,

Que não nos aconteça

Oh sorte malvada

Que vida desgraçada

Ai, ai, ai,

Ai, ai, ai.

 

Isto não está a correr bem aqui para os lados de Sintra (Mem Martins conta, também). Está tudo a acontecer. Arrisco-me a dizer que o mundo vai acabar daqui a 5 minutos para vos dar tempo de ler isto até ao fim.

 

Porém, o mundo está acabar e eu não estou a bater com a cabeça nas paredes nem a chorar pelos cantos, o que é realmente um facto a realçar.

 

Sinto-me estranho. "Entrai na minha gruta e... " oh medo.

 

Melhores dias hão-de vir. Se não vierem olha... paciência.

 

"Quanto tempo... falta!?"

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

verbalizado às 19:50




Anúncios


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930



Verbos mais conjugados





visitar


Mais sobre mim

foto do autor